Mandados de prisão temporária e busca e apreensão são cumpridos em 2ª fase da operação contra tráfico de drogas na BA e PE

265

- Publicidade -

Dois mandados de prisão temporária e dois de busca e apreensão são cumpridos na manhã desta terça-feira (27), nos estados da Bahia e Pernambuco, durante a 2ª fase de uma operação contra um grupo criminoso especializado em tráfico de drogas.

Segundo a Polícia Federal, a Operação Astreia 2 conta com a participação do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas e Investigações Criminais (Gaeco), do Ministério Público da Bahia (MP-BA), e da Polícia Militar da Bahia.

A PF informou que representou por novos mandados, em Juazeiro, no norte do estado, a partir dos desdobramentos ocorridos durante o cumprimento dos mandados de busca e apreensão da primeira fase, no dia 20 de junho, por causa da análise de parte do material apreendido e de novas investigações policiais.

Objetivos da nova fase da operação ASTREIA 2:

  • Cumprimento de dois mandados de busca e apreensão;
  • Cumprimento de dois mandados de prisão temporária de novos membros do grupo investigado especializado em tráfico de drogas para os estados da Bahia e Pernambuco.

 

Desde as primeiras horas da manhã, cerca de 16 policiais federais cumprem os mandados. Foi deferido, ainda, o sequestro de bens e bloqueio de valores de dois novos investigados.

De acordo com a Polícia Federal, as investigações revelaram a conexão do grupo com uma série de delitos, dentre eles tráfico de drogas, tráfico de armas e homicídios, e que causaram aumento significativo da violência local.

Mesmo após a deflagração da primeira fase da operação policial, o grupo teria mantido a prática de novos crimes.

Chefe preso em mansão de R$ 2 milhões

 

Chefe foi preso em mansão avaliada em R$ 2 milhões em Aracaju — Foto: Divulgação/SSP-BA

Chefe foi preso em mansão avaliada em R$ 2 milhões em Aracaju — Foto: Divulgação/SSP-BA

Treze pessoas foram presas na manhã do dia 20 de junho, nos estados da Bahia, Pernambuco e Sergipe, durante a primeira fase da operação contra o grupo criminoso especializado em tráfico de drogas.

Na cidade de Aracaju, em Sergipe, um homem foi preso apontado como chefe e fundador do grupo criminoso. Ele se escondia em uma casa de alto padrão avaliada em R$ 2 milhões, que tinha dois carros de luxo, joias, e uma chupeta de bebê que parece ser banhada a ouro.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), uma pistola, um revólver, carregadores, munições para pistola e fuzil, além de R$ 9 mil, drogas e coletes balísticos foram encontrados em imóveis nas cidades de Juazeiro, no norte da Bahia, e Petrolina, em Pernambuco.

Chupeta que parece ser banhada a ouro foi encontrada na mansão — Foto: Divulgação/SSP-BA

Chupeta que parece ser banhada a ouro foi encontrada na mansão — Foto: Divulgação/SSP-BA

Penas

 

Os investigados responderão pelos crimes de organização criminosa, tráfico de drogas e lavagem de dinheiro, com penas somadas que podem chegar a 33 anos de reclusão e poderão ser elevadas ainda de 12 a 30 anos, caso sejam comprovados os homicídios atribuídos à ORCRIM.

O nome da operação, ASTREIA, remete à Deusa da Pureza na mitologia grega e está relacionada à suposta qualidade da droga comercializada pelo grupo criminoso. Além disso, a Deusa Astreia traz a imagem da balança, símbolo da justiça, para lembrar aos homens que tudo tem contraponto.

A Polícia Federal informou que continua a apuração para alcançar a verdadeira amplitude da suposta organização criminosa e identificar outros integrantes.

G1  BA