Greve de servidores do INSS chega ao 11º dia na Bahia; categoria faz assembleia nesta quinta-feira.

385

- Publicidade -

A greve dos servidores, peritos e médicos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) chegou ao 11º dia nesta quinta-feira (7) na Bahia e os serviços continuam suspensos em todos os 140 postos e agências em Salvador e no interior do estado.

 

A greve teve início no dia 28 de março e conta também com a participação dos médicos do órgão, que aderiram à paralisação no dia 31 de março. Nesta quinta-feira (7), a categoria se reúne em uma nova assembleia em Salvador para definir os rumos do movimento.

Mesmo sem o funcionamento das atividades, alguns beneficiários foram até as unidades nesta quinta-feira para tentar realizar a perícia, que já havia sido agendada previamente pelo órgão.

Moradores de cidades do interior do estado tentaram a realização do exame na capital baiana, mas não conseguiram ser atendidos.

“Eu marquei para o dia 29 de março. Chegando lá, disseram que não iria ter perícia porque o INSS estava em greve. Eles remarcaram, chegou nessa situação e está a mesma coisa. Eu com quatro crianças pequenas em casa, amputei o dedo do pé e estou sem receber o benefício”, disse Adson dos Santos, usuário que buscou a agência de Brotas, em Salvador.

Servidores do INSS se reúnem em assembleia nesta quinta-feira em Salvador — Foto: Reprodução/TV Bahia

Os servidores estão reunidos em assembleia na manhã desta quarta para definir o rumo do movimento de greve.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores Federais em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social (Sindprev), a categoria reivindica a realização de concurso público para suprir a carência de quadro de pessoal na Previdência e também a reposição salarial de 19,9%, que, segundo a entidade, corresponde às perdas acumuladas nos últimos três anos.

‘Benefício será pago de forma retroativa’, diz especialista

 

Posto do INSS no bairro de Brotas, em Salvador, com atendimento suspenso por causa da greve dos servidores — Foto: Reprodução/TV Bahia

O advogado Eddy Parish, especialista em direito previdenciário, destacou que a greve é dos servidores do INSS, não do órgão em si. Portanto, a recomendação é que os beneficiários continuem a requerer os benefícios por meio das plataformas online – como o próprio site do INSS.

“É importante estabelecer que a relação do segurado é com o INSS. E o órgão não entrou em greve. Então, é preciso que o segurando continue a dar entrada nos benefícios através das plataformas online e dos advogados. Isso garantirá a data de entrada no requerimento, ainda que não haja perícia imediata”, disse.

Segundo Parish, através do pedido, o cidadão poderá acionar a Justiça para ter acesso ao benefício. Além disso, quem ainda não recebe o auxílio pela falta da perícia, deve solicitar o requerimento porque o benefício será pago de forma retroativa, seguindo a data que o atendimento foi marcado.

“O dia que ela requerer, é o que fixa a data de início do benefício. Quando for concedido, ela receberá, se deferido for, retroativamente até a data que ela deu entrada no sistema”, pontuou.

Como reagendar o atendimento

 

Agendamento pode ser feito pelo site Meu INSS — Foto: INSS/Divulgação

Mesmo sem uma data para o fim da greve, é possível reagendar atendimentos pelo site, pelo aplicativo Meu INSS e pelo telefone 135. Outra opção é acessar o site ou Meu INSS e tentar a realização do serviço pela plataforma, antes de procurar uma agência.

 

Entre os serviços disponíveis na plataforma estão: pedido e acompanhamento de aposentadorias, benefício assistencial e pensão por morte, pedido do salário-maternidade, de auxílio-doença, consulta à revisão do benefício, pedido de recurso de benefício e certidão de tempo de contribuição.

Pelo app também é possível enviar documentos digitalizados, escaneados ou fotografados pelo celular. Depois de solicitar, o segurado pode acompanhar o andamento do pedido, com o protocolo de requerimento. Esse acompanhamento pode ser feito pelo aplicativo ou telefone 135.

Se a agência estiver aberta e os servidores se negarem a prestar atendimento, é recomendado pedir um documento que comprove o comparecimento ao local. O segurado pode solicitar, ainda, que o serviço seja reagendado pelo atendente – e depois confirmar a remarcação pelo 135, pedindo número de protocolo.

G1 BA