PF faz operação contra grupo especializado em desviar tratores e equipamentos agrícolas da Codevasf

350

- Publicidade -

A Polícia Federal cumpre dois mandados de busca e apreensão e outros dois de prisão preventiva, na manhã desta quarta-feira (11), nas cidades de Petrolina, no sertão de Pernambuco, e Campo Formoso, no norte da Bahia.

De acordo com a PF, as medidas fazem parte da Operação “Indra”, que tem o objetivo de desarticular um grupo criminoso especializado em desviar tratores e equipamentos agrícolas da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf).

A PF afirmou que o prejuízo suportado pelos cofres públicos por causa dos bens desviados em favor do suposto grupo criminoso ultrapassa R$ 500 mil.

Segundo a Polícia Federal, a atuação do grupo era realizada através de fraude nos processos de doações de bens da empresa pública para prefeituras municipais do interior da Bahia.

A PF informou ainda que a operação foi deflagrada nesta quarta porque os investigados começaram a destruir provas do crime para inviabilizar a investigação.

De acordo com as investigações, o suposto grupo criminoso, que contava com a participação de um funcionário da Codevasf (6ª Superintendência Regional), falsificava ofícios de gabinetes de deputados federais que indicavam prefeituras do interior baiano como beneficiárias de doação de tratores e implementos agrícolas.

Essas doações eram feitas por meio de fraudes nos processos de doações dos bens. As compras eram promovidas com recursos públicos destinados à Codevasf através de emendas parlamentares e encaminhados às prefeituras indicadas pelos parlamentares.

A Polícia Federal afirmou ainda que a investigação contou com o apoio da Codevasf, que prestou todas as informações necessárias, para subsidiar o inquérito policial.

Os investigados responderão pelos crimes de Associação Criminosa, Peculato e/ou Estelionato Qualificado, que as penas somadas podem chegar a mais de 12 anos de reclusão.

A operação foi batizada de “Indra” por causa dos tratores desviados da CODEVASF, da marca “Mahindra”, que significa “grande Indra”, a partir do sufixo “Maha” (grande), combinado com o nome do Deus Hindú “Indra”.

A Polícia Federal informou que continuará a apuração, para tentar recuperar os bens desviados e restituí-los ao patrimônio público.

O que diz a Codevasf

 

A Codevasf informou que a Operação “Indra” é resultado de denúncia levada diretamente pela Companhia às autoridades policiais, para investigação de crimes associados à retirada fraudulenta, mediante uso de documentos falsos, de tratores e equipamentos agrícolas de seu pátio em Juazeiro.

Conforme a Codevasf, os crimes ocorreram em agosto de 2022. Ainda no início das investigações, um funcionário terceirizado foi demitido por determinação da Companhia, por causa da suspeita de envolvimento.

Para apuração dos fatos, a Codevasf levou aos investigadores imagens de câmeras de segurança e acervo documental associado aos bens. A Companhia informou que identificou o desvio dos bens por causa da eficácia de seus processos de controle, que foram fortalecidos no curso da apuração para fins de prevenção.

A Companhia afirmou ainda que colabora ativamente com as autoridades policiais, com o objetivo de que a investigação leve à responsabilização dos envolvidos e à recuperação dos bens.

G1 BA